12 abril 2011

6ª jornada de Artes da Roça

DO PLANETA DO SERTÃO NÓS CUIDAMOS COM ARTE E PAIXÃO

por Zé Vicente última modificação 11/04/2011 14:51
Colaboradores: Sandra de Oliveira
Zé Vicente

jornada de arte no Sertão Vivo

DO PLANETA DO SERTÃO NÓS CUIDAMOS COM ARTE E PAIXÃO

O nosso Sertão Vivo está comemorando nestes 2011, os 15 anos, desde suas primeiras atividades, nos idos de 1996, com arte e educação ambiental.

Com sede no Sítio Aroeiras, município de Orós, Centro Sul do Ceará, a 400 quilômetros deFortaleza, as atividades do Projeto, envolvem as comunidades da vizinhança, a sede municipal e recebe pessoas que vêm de outros Municípios e Estados.

Projeto Sertão Vivo

Chegam ao Sítio Aroeiras, visitantes de outros países, que sabendo do Sertão Vivo, querem conhecer e compartilhar dessa experiência; que mesmo tendo outras similares em muitos lugares, carrega em sua identidade, algumas características muito particulares, sendo a principal delas a vivência de uma mística de alegria no acolhimento, do relacionamento com a diversidade e do cultivo com a sagrada memória dos ancestrais, numa perspectiva ambiental, holística, onde tudo está aí, vivo e presente, numa interatividade natural.

Dentro da Programação dos 15 anos realizamos pelo sexto ano seguido, a nossaJornada de Artes na Roça, de 23 a 27 de março, com mais de 20 atividades de arte-vida, em quatro comunidades diferentes e um bom leque de parcerias e cumplicidade, seja com artistas que vieram de Fortaleza e outros municípios cearenses, como também de João Pessoa/PB e Recife/PE. Vieram, voluntariamente, somando com jovens artistas da comunidade, que já assumem a assessoria dealgumas oficinas e outras atividades de apoio. Vale destacar a parceria artística com a ABRA – Associação Brasileira de Arte-educadores e com a RECID - Rede deEducação Cidadã, cujos participantes – Clara Moura, Gilson, Cícero que nos apoiaram e cada artista que marcou presença individual ou em grupo,como o Ronny,Domitila e Damião que vieram de Recife e Paraíba, representando o Movimento das Comunidades Populares e o Jornal “Voz das Comunidades” que tem feito boas publicações do Projeto Sertão Vivo.

O nosso tema central tem sido mesmo os cuidados com o meio ambiente. O mote escolhido para 2011: “Do Planeta do Sertão nós cuidamos com arte e paixão”,transformado em gostoso xote, pelo compositor Henrique Silva, de Pernambuco, inspirou todas as ações e momentos de convívio, no espaço maior de acolhida, que é a Casa Mãe.

É assim mesmo que estamos chamando a primeira casa construída em Aroeiras em 1950, totalmente com tijolos, pelo casal Zezinho Paraibano e Suzana Angélica e que tem sido destinada pela família para a sede do Projeto Sertão Vivo, junto com outra casa que foi da Tia Zefa. Nas noites podemos contar 22 pessoas dormindo em todos os recantos da Casa. No último almoço, compartilhamos 56 pessoas!

AÇÕES DE APOIO, FÓRUM, OFICINAS...
  • As ações de apoio começam bem antes da Jornada, com a divulgação, visitas e busca de apoios e parcerias. Organização dos espaços para acolhimento; cultivode hortas para a produção de verduras; fabricação caseira de polpas de frutas e queijos; cuidados das vaquinhas e outros animais de pequeno porte; para a tarefa que lhes cabe; a feira e organização da Equipe das (os) Artistas da Cozinha (Denir, Idaci, Dos Anjos, Nena e Fabiana); preparação das listas departicipantes das oficinas e seus respectivos monitores (as) e coordenadores (as); celebrações do reisado e novenas a S. José (nessa intenção, seguindo a tradição iniciada pelo casal fundador da casa, sem nenhuma interrupção desde1952). Nesse ritual, estabelecemos uma relação ao mesmo tempo sagrada e informal com o José que construiu a casa, o lavrador e o José de Nazaré, cuja imagem usa um pequeno chapéu de palha e sua história é contada em literaturade Cordel, tornando-se assim um sertanejo e também artista animador de nosso Projeto. Uma equipe local e outra em Fortaleza assumem essa boa missão.
  • Já no dia 23 de março, recebemos a 3ª visita de uma Equipe do Núcleo deFitoterápicos da Secretaria de Saúde do Ceará, coordenada pela Dra. Meiry Anne Bandeira, desta vez com a tarefa de plantar mais de 200 mudas de Aroeiras, preparadas com sementes colhidas no Sertão Vivo, na safra de 2010. O Projeto visa construir alguns corredores, alamedas, com as árvores que dão nome ao nosso Sítio.
  • A partir do dia 24 começaram as tradicionais Oficinas de Arte. A primeira, Flauta Doce - com um grupinho iniciante de 07 meninas e meninos, monitorado por dois jovens professores, Bruna e Felipe, da Fundação Raimundo Fagner de Orós. Essa Fundação do cantor de nossa terra presta um grande serviço de educação artística e humana para crianças e jovens carentes no município. Na Oficina deCondimentos Caseiros, com Marli e Aldenir, da Ematerce de Acopiara, produzem uma mesa cheia de temperos, para ser compartilhado entre as pessoas participantes.
  • O Grupo de Teatro de Bonecos fez seus primeiros passos, continuando nos dias seguintes sob os cuidados de Conceição Almeida e Mônica Lima, abrindo também para a expressão de Teatro de Palco. O clima foi subindo, tanto na natureza, com poucas chuvas, como nas artes. A Oficina de Técnica Vocal e Cantos, com a cantora Eliahne Brasileiro e o cantor Henrique Silva, reunindo jovens, na maioria mulheres, de quatro localidades, na Comunidade de Jurema, na beira do AçudeOrós. A Oficina de Percussão em latas, com os monitores Diones Mendes, Gláucio e Francisco, aconteceu em Aroeiras e na Escola do Distrito de Palestina, a 06 quilômetros, coordenada pelo Professor Paulino, reuniu um bom número deadolescentes e jovens. Os participantes juntam latas, pintam, preparam, tocam.
  • A Oficina de Fotografia Artesanal, monitorada pelo Arte-educador, Agnelo Queirós(ABRA), funcionou na Escola Isaías Cândido em Guassussê, encantando participantes e visitantes, pela magia que é construir, com materiais tão simples, nos instrumentos para visualização e captação de imagens, na própria comunidade. Um grupo de Mulheres viveu duas experiências, inéditas nasJornadas, no Balneário de Aroeiras, nas oficinas de Customização de Roupas eConstrução de Brinquedos, as artistas Lígia e Yara, monitoraram, com direito a um pequeno desfile na mostra final.
  • Os dois artistas plásticos, Clóvis André e George, vão espalhando nas paredes do Ginásio de Esportes e da Escola Manuel Montanha, em Guassussê, num espaço do Balneário e da Casa Mãe, belas criações sobre o tema da Jornada, com a arte da Grafitagem em Pintura Mural interagindo com crianças e jovens, sob olhares curiosos de dezenas de pessoas, que comentam, opinam, criticam. O nosso companheiro, também artista plástico e documentarista, Ivo Sousa, vai registrando as imagens, dialogando com todos e todas que também fotografam, gravam em celulares e câmeras, o movimento permanente de ações e fenômenos humanos e cósmicos que vão compondo uma Sinfonia harmoniosa e encantadora no velho e sempre inspirador Sertão.
  • Zé Neto, da coordenação da Escola Família Agrícola Dom Fragoso - EFA, deIndependência, orientação a Oficina de Apicultura, no dia 26. Após a novena da noite, vivemos a tradicional degustação do mel, numa roda de conversa com o Zé Neto e proclamação de poesias de cordel, com a presença do Elmo, poeta dePoranga / CE.
  • Na manhã do dia 25, realizamos, em parceria com a Escola Isaías Candido, o 1º Fórum com o tema: “O que fazemos com nosso lixo e como agimos diante dos venenos nas lavouras”– reunindo mais de 200 pessoas, no Ginásio de Esportesde Guassussê, com apresentações artísticas, painel fotográfico, exposição, mostra das ações municipais pela Prefeita Fátima Bezerra e Secretárias (os) presentes, uma palestra com Rubens Lima, técnico da EMATERCE de Acopiara, convidado para a ocasião, e uma boa Fila do Povo. Uma Comissão de Alunos apresentou-se, espontaneamente, para monitorar o Conselho Municipal de Meio Ambiente de Orós.

O Encerramento da nossa Jornada aconteceu na manhã do domingo, dia 27, com um Passeio Ecológico, e Hezio e Eu (Zé Vicente) falamos sobre a mata local, as arvores antigas que já estavam ali muito antes de nós. Em seguida, deu-se aMostra das Oficinas, rodas de baião, xote, ciranda sobre o lema da Jornada e o almoço.

O convívio, as pessoas que nos visitaram, os momentos de saudação espiritual nas manhãs, antes do café, para contemplação da mãe natureza, ouvir a gostosa sinfonia dos passarinhos, o envio de monitores(as) para as ações do dia, as avaliações nas novenas da noite, as rodas de conversa e música ao redor da fogueira, a partilha e troca de saberes entre artistas; com as famílias das comunidades, o reencontro de jovens que participaram do primeiro Grupo deCantos para cantar e festejar a saudade; a ousadia em marcar presença em lugares inusitados( balneário), o respeito e convívio na diversidade, os toquesde reiki e massoterapia,do João Irineu(PB); a grande partilha em alimentos, materiais didáticos, copos (com o selo da jornada), brindes e contribuições financeiras, garantindo que pelo menos 80% dos investimentos no vento fossem cobertos.

O relatório financeiro está sendo concluído e todas e todos que somaram conosco terão acesso. Um DVD também será posto à disposição. Vale salientar que não sendo uma ONG,mas um Projeto aberto,comunitário, os apoios de órgãos oficiais, como a Prefeitura Municipal de Orós, a FETRAECE, o STR-Orós, a RECID, somando com cada gesto de partilha de nossos amigos e amigas, ganham um sentido simbólico, de reconhecimento da seriedade e transparência de nosso Projeto dearte e educação ambiental.

E assim, com sentimento de gratuidade e agradecimento, encantamento e compromissos renovados; com a maior e mais sagrada causa da Arte-Vida em nós, Planeta no Sertão, e em tua sua vastidão, seguimos levando no coração um toque a mais de brilho do amor que nos reuniu!

Temos a alegria de comunicar a você que nos acompanha de longe ou de perto, que o Daniel Moreira, nosso companheiro artista, está criando nosso SITIO na internet. Esteja convidado (a) a nos visitar e entrar, sugerindo,compartilhando, fortalecendo laços de amizade e companheirismo. Com você:www.sertaovivo.altervista.org

Nossa próxima estação no Sertão Vivo será durante o Arraial de S. João na Roça, nos dias 22 e 23 de junho!

Em tempo: logo após a Jornada, dia 29, nasceu Davi, filho dos vizinhos: Verônica e Neto, de parto normal.

Zé Vicente – poeta-cantor

Com revisão e formatação de Ivo,Conceição e Eliahne.

e-mail: zvi@uol.com.br

08 abril 2011

Mataram mais um irmão

Estes dias o nosso pais assiste passivo mais um episodio de violencia. A frase que me vem a cabeça é de Chico Buarque que diz: Quantas guerras terei que vencer por um pouco de paz> Quero convidar a voce a refletir sobre as nossas escolhas e opinioes, e também a refletir sobre possibilidade de uma paz que começa dentro de sua cabeça , na sua casa, no seu bairro... Peçamos a Deus que aqueles Brasileirinhos como disse a senhora presidente Dilma, que eles descançem em paz isentos do ódio dos homens meus irmaos. E a todos nós os que escapamos a este atentado, fica o pedido de que nas proximas eleiçoes continuemos votando em politicos falidos , continuemos votando neles até chegar a nossa vez de enterrar o nosso filho.. tenho dito. Henrique Silva